palarvore é voz que não sustenta o grito e sai rasgando a garganta. um entregalhos coberto de flores enquanto as folhas espalham o vento. Um primeiro livro, uma semente... uma vida de mortes avulsas e semidiárias. tem raiz e juventude na veia. um caule torto, uma expressão própria. palarvore é fruto de vida intensa com um olhar guloso de sumo adocicado. um réquiem do apodrecer da época. um livro sonoro e dissonante que beira as tensões do que é ser humano. um feminino forte do elemento Terra.

o restante...é erva-daninha e pontos

(...)

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Espera

Cheguei para dormir em árvores,
não pra me enraizar,
mas ganhar um aspecto de folha
que relaxa e se alimenta.

Estou verde e só,
sobre o tronco,
sóbrio e inebriado.

Cheguei palavra manchada
em fantasia de soba
ou demiurgo.

Subi pelos galhos e fiquei a esperar.

Marcelo Asth

( De quando saímos para plantar poemas e nunca mais voltamos )

2 comentários:

  1. "uma árvore, convite.
    nela ver o mundo,
    missiva do imponderável."

    (Sergio Cohn)

    ResponderExcluir
  2. ah, olha a gente se enraizando!

    ResponderExcluir